Minhas Líricas E Narrativas

Ponteiro solto

Não tenho mais nada para aprender aqui, A areia movediça engole meus pés, O relógio solta o ponteiro, E a hora começa a chegar. Não tenho, Dei de mim, Tirei de mim, A a mim regressaram as raízes do firmamento, E o tempo já começa a secar. Não tenho mais nada para ver aqui. Mais…

Keep reading

Areia Movediça

O fio se vai rompendo, Pela magia, O vulnerável se expressa. Faminta é a causa, Que ganha lugar no que se transcende, No que vai ficando longe, (In)tocável. O fio, essa voz que comanda, No silêncio, E pela madrugada rasga os véus da (im)possibilidade, Se estica, Para se corromper, No vazio, Que se encheu de…

Keep reading

O viajante (sabe)

A manifestação de quem nós somos também se manifesta pelas dúvidas e pelas perguntas que se auto-coloca ao longo da jornada. Até para questionar o concreto e o coerente, é necessário no viajante silencioso, o espírito da procura que escala as montanhas dos seus próprios porquês. Se a vontade de conhecer os seus próprios sentimentos…

Keep reading

Sou (nada)

Não sei nada. Sou uma eterna aprendiz da vida. Não posso ensinar a ninguém aquilo que eu própria não sei. Não sou mestre. Sou uma Alma aberta. Sonhadora. Questiono e quero ver. Ir para experimentar. Experimentar para saber. Os gostos os desgostos, tudo é alegria da vida. Tudo vem, tudo vai, tudo em mim se…

Keep reading

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


%d blogueiros gostam disto: